Bruxaria: trocando de pele como as Serpentes

Bruxaria: trocando de pele como as Serpentes


Ilustração por: The Art of Valin Mattheis

Á noite… Eu beijo a serpente em tuas lágrimas
(1)

 

Sempre ouvi muitas pessoas falando sobre transformações quando o assunto tocasse os pálidos espectros dos pés da Arte Sem Nome.

Por inúmeras vezes escutei as mesmas pessoas falando sobre transformações da mesma forma, com os mesmos argumentos, durante tempos…o ciclo se renova e as falas continuam as mesmas. Nem mesmo “falar A Fala” tem se tornado possível para aqueles que não compreendem a fluidez e natureza cíclica da Arte em si. Nada mudou em tantos anos, nada mudou nas atitudes. As pessoas no geral não são as mesmas, mas o vazio em suas vozes continua o mesmo.

Hoje iremos falar um pouco sobre transformações dentro da bruxaria e o porquê de ser um assunto com uma grande relevância dentro da Arte.

Que possamos trocar de pele como a sábia Serpente e, como sua apoteose é o Dragão, que nossa Apoteose seja a de Deuses.

Continuar lendo

Anúncios

A Beleza das coisas não vistas

A Beleza das coisas não vistas

A woman carries decorated human skull or "natitas", as she waits to be greeted by the priest inside the Cementerio General chapel, during the Natitas Festival celebrations, in La Paz, Bolivia, Sunday, Nov. 8, 2015. Although some natitas have been handed down through generations, many are from unnamed, abandoned graves that are cared for and decorated by faithful. They use them as amulets believing they serve as protection. The tradition marks the end of the Catholic All Saints holiday, but is not recognized by the Catholic church. (AP Photo/Juan Karita) ORG XMIT: XJK109

(Um dos crânios humanos do festival das Natitas, Bolívia) (1)

O estigma da desilusão
Confirma sua própria ilusão
E depois de tudo esse pode ser você.
(2)

Boa noite aos leitores da Nona Direção! Hoje vamos falar sobre beleza! Não, não será apenas sobre a beleza convencional ou padrão de nossa sociedade. Iremos falar da beleza que cerca a bruxaria e das formas esquecidas e ignoradas pelas pequenas mentes que cismam em  permanecer em nosso meio.

Esta é uma postagem muito simples, mas que para muitos pode ser complicada de entender. Aqueles que entendem ou sintam a poesia da linguagem dos Deuses, dos espíritos e entidades de nosso mundo, saberão exatamente do que estarei falando em algumas partes. Afinal, a poesia em si é a linguagem dos Deuses, como o vinho que faz as pedras falarem.

Todos nós temos gostos diferentes e desejos por estéticas distintas. Muitas coisas são reconhecidamente como uma beleza comum, onde a maioria concorda que seja algo belo. Tudo bem, mas e na bruxaria? quando falamos de beleza, o que realmente podemos ter em mente?
Oras, TUDO!
A existência em si é de uma beleza única. Atemporal e sem espaço. Inexistente ao mesmo tempo e que está em todas as coisas. Até aqui tudo bem, mas é aí que entramos em uma outra área mais obscura para a maioria, assim como repulsiva ou até mesmo terrível para a maioria das pessoas: É aqui que nós devemos entender a natureza dos Deuses, do mundo, da NOSSA.

Continuar lendo