Adversidades do Caminho e a leveza interior

Adversidades do Caminho e a leveza interior


(Arte por Zdzisław Beksiński)

“Tudo aquilo que não enfrentamos em vida
acaba se tornando o nosso destino”.
(1)

Esta postagem não é para ser longa, mas pensei em trazer algumas reflexões frente aos dias sombrios que virão neste ano.
faltando uns 3 meses para 2018, eu senti que o ano seria absurdo de movimentos e que a Roda iria girar depressa, intensa e implacável. Que deveríamos entender os movimentos da Roda para não sermos atropelados por esses mesmos movimentos. Sabia que seria atípico e que muita coisa iria mudar…e mudaria rápido!

Foi um ano muito intenso e muito melhor do que eu esperava e muito mais revelador também.

Para este ano, estava com uma sensação muito ruim, como se o ano fosse realmente ruim e com muitos problemas que iriam acontecer, coisas que afetariam todos nós…conflitos…será um ano sombrio e angustiante.

Parei para pensar sobre e cheguei a algumas conclusões nas quais me baseei para escrever esta postagem de forma espontânea.

Antes de qualquer atitude ou influência externa, aqueles que “andam o Caminho” normalmente possuem um auto conhecimento melhor e uma noção interna mais aguçada, tornando as influências externas menos relevantes ou influentes.

Tentando explicar de forma mais simples, quero dizer que quanto mais seguro de você mesmo, por exemplo, menos você dará ouvidos a criticas ruins de outras pessoas, afinal, você sabe quem você é.

O auto conhecimento e a auto aceitação é algo muito necessário (ao meu ver) para que você esteja em harmonia consigo mesmo ao mesmo tempo em que você não sofre tanto as influências negativas de fora, seja de eventos, adversidades ou outras pessoas.

Ser capaz de estar sozinho, por exemplo, e estar feliz, traz muito mais condições de saber agir em um relacionamento ou de saber se relacionar melhor, sem estar contaminado com ideias de dependência, necessidades, vazios ou aquela ideia de que “só posso ser feliz com fulano”. Não, você pode ser feliz sozinho e quando for ter alguém, você terá porque quer, não porque precisa, pois necessidades deixam de existir depois que você as supri.

Começar a se entender e a se aceitar é prioridade para poder entender e aceitar a maioria das coisas na vida.

O que isso tem a ver com o Caminho ou com a bruxaria? em qualquer caminho que use magia e/ou lide com espíritos ou entidades, você precisa saber, do mesmo jeito (ou quase), se relacionar, se conhecer e saber quem você é. Caso você não saiba nem mesmo lidar com suas emoções ou com sua própria vida, como vai lidar com algo além? magia não existe para suprir sua carência existencial. Espíritos não são substitutos para más relações ou falta de relações e, em alguns casos, muitas entidades podem simplesmente usar suas fraquezas a favor delas, da mesma forma que uma pessoa ruim poderia fazer contigo.

Pensar que as entidades existem pra te ajudar e que querem o seu bem é uma fantasia que muitas vezes podem ser perigosas.

Voltando a ideia de se conhecer e de estar bem consigo mesmo, chegamos a um ponto em que tudo fica mais simples e sem grandes alvoroços, seja para lidarmos com pessoas no nosso dia-a-dia ou com problemas que surgem de forma inesperada e que precisamos passar e resolver.

Claro, ninguém gosta de problemas, mas acontece, volta e meia lidamos com adversidades no dia-a-dia e na vida.

O que faz a diferença em alguém feliz não é a ausência de problemas, mas a forma tranquila de passar e de resolvê-los. Caso não dê para resolver, podemos considerar como a Runa Ior, da Nortumbria, a besta marinha, Jörmungandr, que representa problemas que é melhor termos e que a sua remoção poderia acarretar em problemas muito maiores, como a posição da própria serpente em Midgard.

Mesmo quando tudo está ruim, você se mantém bem: mesmo neste ano sombrio e com previsões péssimas.

Quanto melhor você está consigo mesmo, menos problemas você se envolve: principalmente por causa de outras pessoas – e isso inclui brigas e mais brigas via internet, discussões sem sentido com outras pessoas ou perdendo a noite de sono com coisas que você não vai mudar, seja a mentalidade dos outros ou ignorância alheia.

Não acredito que “todo bruxo deva isso ou aquilo”, pois não me atreveria a limitar a bruxaria de forma tão arrogante ou prepotente. Posso falar apenas por mim e ponto final.

Acredito que o Caminho seja diferente para cada um e que conseguimos absorver e aprender muito mais pela caminhada do que pela leitura. Colocando a prova nossas atitudes e posturas no dia-a-dia, em conflitos reais que necessitem de postura e não pela internet, para parecermos importantes.

Alguns Caminhos, nos fazem andar anos e anos para só então entendermos que não sabemos nada, mas que agora estamos aptos a aprender algo de verdade, como ouvi algumas vezes e inclusive recentemente. “Estar apto” é um processo, não uma predestinação divina, portanto, a fantasia de que “eu sou bom! eu sou isso, eu sou aquilo”, normalmente faz com que a realidade nos jogue de cara com a terra, com areia na boca. Não é através da auto afirmação que realmente nos tornamos algo ou aprendemos os segredos, mas sim, na caminhada.

Normalmente quem late demais, não morde.

Mesmo neste ano agourento, se estivermos com alguma completude para com nós mesmos, incluindo segurança e confiança, podemos pensar claramente frente as adversidades e agirmos com sabedoria ao invés de puro impulso ou alguma reação que acabe nos prejudicando ainda mais.

Pense como da vez que você acaba vendo um espírito ou entidade de repente: mesmo que você possa se assustar (ou não) pela surpresa, você mantém a calma e age de acordo com o que ache melhor. Caso você demonstre medo ou corra ou grite, normalmente você perde o equilíbrio emocional e mental para agir, seja lá qual fosse a situação neste exemplo.

Da mesma forma, temos que prestar atenção nos acontecimentos e saber agir para sermos capazes de ajudar outras pessoas e de nos preservar e reservar.

Caso você que esteja lendo isso deseja andar o caminho da Arte Sábia, aconselho a aprender a olhar para dentro. Pois antes de querer olhar para a vida de alguém ou alterar acontecimentos na vida alheia, você deverá saber olhar para você mesmo e ser capaz de se observar com sinceridade. Caso você deseje ser Senhor ou Senhora do que quer que seja, primeiro deve ser Senhor ou Senhora de si. Pois imagine como uma entidade vai respeitar alguém que depende dos outros e é frágil emocionalmente? Como vai querer clamar contato com entidades mais sombrias com tantas feridas abertas e uma autopiedade constante? provavelmente você será um banquete e só conseguirá atrair sofrimento e confusão para a própria vida.

Primeira coisa é cuidar da sua casa, ou seja, você mesmo.

Progressivamente, enquanto você se conhece e aprende a ter paz consigo, mais e mais a vida irá parecer mais simples e coisas das quais te aborrecem vão passar despercebidas, pois você irá tirar o poder que as coisas e as pessoas tem sobre você, afinal, você é seu único Senhor ou Senhora.

Quanto mais algo te aborrece, mais aquilo tem poder sobre você. Quanto mais uma pessoa consegue te atingir, mais poder essa pessoa tem sobre você.

É complicado e muitas vezes delegamos alguns direitos, sem perceber, para pessoas que não valem a pena.

É uma prática constante que melhora com o tempo e, conseguindo avançar nisso, acabamos enxergando coisas mais importantes que não enxergávamos antes por estarmos ocupados com problemas que nunca valeram o tempo perdido.

Paz não é dada. É conquistada. Aliás, nada é dado de graça, pois o que vem fácil vai fácil.

Aprender isso não é um ponto final no Caminho, mas apenas uma forma melhor e completamente nova de enxergar o mundo, que só melhora e avança.

Não quer dizer que você não se aborreça ou que não sinta as coisas, mas sim, que você consegue se concentrar e pensar melhor, dando prioridade para o que realmente importa ao invés de coisas muito pequenas e que não valem seu esforço. Também não tem a ver com ausência de tristeza, mas uma forma menos conflituosa de lidar com ela, pois felicidade e tristeza são estados inerente a cada um de nós e devemos saber sentir ambos e a lidar de forma mais madura ao invés da forma de um adolescente, por exemplo.

Olhe para dentro e aprenda mais de si mesmo, e aprenda a entender tanto as suas lágrimas de alegria quanto as lágrimas de suas dores mais profundas; a enxergar o motivo de desejar bem aos outros tanto quanto desejar o mal em momentos de raiva ou frustração: o motivo de cada um desses sentimentos não são pessoas de fora, mas a forma que você entende e enxerga cada local de onde esses sentimentos se originou… normalmente o problema está em você, não nos outros. Aprenda a enxergar isso e você terá meio caminho andado para as mudanças verdadeiras na sua vida.

Bênçãos e Maldições,

FFF

 “Conhecimento sem transformação não é sabedoria”.
(2)


(“Skull poster” por Julien Lemoine )

_______________________________________________________

Notas:

(1) citação de Carl Jung;

(2) Citação de Paulo Coelho.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s