Bruxaria, Bíblia e sincretismo religioso – Parte 1: A Origem do Deus do Velho Testamento

GOD20EL20STONE

Ani amarthi: Elohim áthem u-vnei Elion kulkhem!”
(1)

 

Comecei com a frase acima para explicar (e também lançar certos questionamentos) sobre alguns pontos que ligam a Bíblia aos Deuses Antigos e depois sobre Bruxaria (2).

É claro que a maioria dos leitores torcem o nariz logo que enxergam a palavra “Bíblia”, “monoteísta” ou “cristão” num site onde o nome “Bruxaria” aparece como um dos temas principais. Mas isso é facilmente explicado: resistência e medo.

A ideia é que durante nossas vidas somos bombardeados de elementos e valores cristãos, o que cria traumas e sensações de culpa ou de medo enquanto ainda estamos ‘presos’ tanto na mentalidade quanto em nossas visões.

Normalmente existe uma revolta imensa dos ditos “pagãos” quando se entra em questões que abordem ou tenha algo a ver com “cristãos”. Os Judeus não costumam incomodar tanto quanto os Católicos nesses assuntos, embora as Religiões de Livro (3) são amplamente mal vistas e mal interpretadas por outros grupos.

Acredito que a bruxaria foi distorcida em inúmeros níveis, tanto graças a Wicca quanto às massas que usaram-na como um escudo ou bandeira para afirmar algum tipo de ‘diversidade’, como feministas, homossexuais ou apenas pessoas que possuem algum ódio ou raiva ao cristianismo. A figura da “Bruxa” foi usada para questões ambientais, políticas, terapêuticas, explicações psicológicas distorcidas e todo o tipo de “ferramenta” para que pessoas pudessem “se encontrar” – seja lá o que isso realmente significa nesses casos absurdos – e todo o tipo de ideia do gênero, MENOS para a Bruxaria em si. Continuar lendo

Anúncios

Algumas palavras sobre Bruxaria

É típico dos genuínos homens-de-conhecimento utilizar o que quer que esteja à mão e mudar o rumo de todas as influências, independentemente da sua procedência religiosa, para as causas secretas da Arte. É por isso, então, que a Arte Antiga adota para si mesma uma grande opção de atitudes e métodos, estendendo-se desde simples tópicos de feitiçaria até às mais altas formas cerimoniais de conjuração.
(1)

witchhour

Após tantos anos, posso dizer que tenho contemplado a loucura e o desespero das pessoas num geral. Em diferentes tópicos de assuntos diversos, é possível observar que toda a histeria e devaneio possuem coisas em comum.

É claro que irei tentar me ater ao tópico proposto, mas mesmo assim será de alguma relevância fazer pequenas andanças em áreas periféricas.

Não vou falar que a Bruxaria em si tem sofrido, pois como não se trata de algo central e nem mesmo limitado, é como se fosse tanto uma Arte quanto uma entidade viva, não necessitando de defensores ou de algum tipo “pena” ou sentimento do gênero.

O que eu posso afirmar é que a histeria e desespero das pessoas comuns, bem como suas futilidades, impactam numa visão contemporânea de como enxergamos a Bruxaria em si e de como alguns falsos propagadores (normalmente pessoas desinformadas ou na maioria das vezes desesperadas) giram em torno do intuito de formar um alicerce seguro em cima de algo realmente frágil e inexistente: Essas pessoas não sabem onde estão.

Estou iniciando um texto sobre Bruxaria Tradicional, que infelizmente tem sido vista e cunhada como mais uma prática “pós-wiccana”, que no final das contas acaba sendo vista como a mesma coisa com nomes diferentes, como as ideias falidas de “Bruxaria Natural”, “Bruxaria Ancestral”, a coitada da “Strega” e outros rótulos criados de forma vazia, sem o mínimo de contexto e que, no final, resumem suas práticas ao mesmo escopo típico da Wicca. Continuar lendo

Nascimento – A Alteridade feita Carne

“Como minhas Palavras interrompem o Silêncio, e o Silencio as minhas Palavras
-Assim o fazem suas ressonâncias se alinhando e aumentando o Poder
Suficientemente para materializar seus intentos.”
(1)

 

Após mais uma vez num longo silêncio, dedicando meu tempo aos estudos, práticas e trabalhos pessoais, sinto que já era a hora de criar um espaço onde possa fazer algumas postagens sobre assuntos pertinentes a uma série de tópicos, todos pautados em LHP (Left Hand Path) ou Caminho da Mão Esquerda, sem me esquecer do equilíbrio em si que alguns grupos de RHP (Right Hand Path) ou Caminho da mão direita podem e devem nos proporcionar. Acredito que o Caminho deva ser o “Caminho do Meio”, visto que o segredo é saber lidar tanto com a Luz quanto com a Escuridão.

Como um praticante da Arte sem nome, sinto a necessidade de escrever sobre algumas formas da Arte sem tentar de forma alguma limitá-la, pois visto que além de impossível, também é indesejável. Tentarei traduzir artigos e matérias de autores que acho importante para a Arte em si e tentar mostrar um pouco da extensa variedade de conteúdos. Continuar lendo