Oração aos Antepassados – Uma Invocação Luciferiana da Nona Direção

Oração aos Antepassados – Uma Invocação Luciferiana da Nona Direção

45
(Tubalo Lucifer por Andrew Chumbley)

“Por tudo o que é valioso,
O sangue em minhas mãos:
É o sangue de divindades”
(1)

 

Quando teu sangue sussurrar ao teu ouvido, com uma voz que te lembrará do som do rastejar de uma serpente;

Quando o vento lhe trouxer tais sussurros como se os trouxesse do Abismo;

Quando sentires que esse Abismo, seja qual for tua máscara, reside em teu sangue e espírito pelo antigo pacto;

Quando aceitares a ideia de que o teu sangue é o mesmo dos Deuses Antigos e das forças caóticas e primitivas anteriores aos mesmos;

E finalmente, quando for capaz de sentir, sem precisar emitir palavra alguma, que o silêncio e o poder, assim como tua maldição e tua sabedoria, são tua herança e tua Marca na linhagem de Qayin e dos Anjos Caídos;

Será o dia em que teu mundo irá ruir e, teu entendimento, mesmo trazendo a sua vista todas as mentiras, lhe trará a visão da face da Luz, das Trevas e dos Caminhos.

Será quando entenderá tua origem e teus mistérios. Continuar lendo

Um pouco sobre Runas: – Parte 3: Enigmas, significados e interpretação

Um pouco sobre Runas:  – Parte 3: Enigmas, significados e interpretação

Odin_by_Thysane

Ele rugiu como os ursos rugem:
“Pedras para os mais robustos,
O quais as lanças não irão morder,
Nem os fios do aço,
Estes filhos de Jonakr!’
(1)

Tudo na existência pode ser vista de pontos de vista diferentes. Poderíamos pedir para pessoas diferentes descreverem situações iguais e cada um delas dariam impressões diferentes, mesmo que pudessem ser similares. Cada pessoa possui uma visão e cada entendimento difere uma das outras. Não se trata, de fato, de qual impressão pudesse estar certa ou errada, pois tal coisa não existe. Todas as descrições existem e todas podem ser somadas e comparadas para se ter um numero maior de informações. Apenas somando inúmeros pontos de vistas é que podemos ter, cada vez mais, um conhecimento e uma compreensão mais abrangente sobre qualquer coisa na vida. E é exatamente nesse ponto que começaremos este texto.

Para a Arte das Runas é necessário que a visão do Erilaz seja sempre abrangente e não limitada a apenas uma mera interpretação ou fechada para apenas aquilo que o mesmo aprendera. Seu conhecimento é importante, mas deve-se entender que conhecimento nunca é subtraído, apenas somado ou até mesmo multiplicado.

É uma forma de ver o mundo no plural, sem ser fechado a uma mera visão. Para se usar as runas como oráculo, esse é o básico para se caminhar nos seus próprios horizontes. Continuar lendo

Um Pouco sobre Runas – Parte 2: Os Grupos de Runas e um pouco de suas Histórias

Um Pouco sobre Runas – Parte 2: Os Grupos de Runas e um pouco de suas Histórias

deloraine_irminsul
(Uma imagem ilustrativa de um Irminsûl)

“Entre no Caminho das Runas
E beba da fonte de Urd,
Experimente as frutas de Idunna
Decifre os símbolos do Norte.”
(1)

Os grupos de Runas

Existem muitos historiadores e Runólogos que estudam e pesquisam por anos a fio tanto a origem quanto os grupos de Runas que existiram. Portanto, muitos escritores, principalmente aqueles que inventam alguma runa que nunca existiu, deveriam ter a decência de dizer que são criações próprias e não runas “antigas” ou “tradicionais”, como a tal falada “Runa Branca”, chamada também de “Runa de Odin”: tal runa, criada pelo escritor Ralph Blum, se popularizou em nossa Era ao ponto das pessoas acreditarem que tal runa realmente possui algum valor ou tradição. Não, nenhum Erilaz de verdade usa uma runa criada para ser propagada por modistas, que apenas enxergam as Runas como se fosse um “kit de adivinhação” que você compra numa banca de jornal. Qualquer estudioso de Runas compreende que inclusive existe uma Runa com um propósito similar e muito mais abrangente, que neste caso é a Runa Gar, sobre a qual falarei mais adiante no texto. Continuar lendo

Um Pouco sobre Runas – Parte 1: Conceitos tradicionais e falácias modernas

Um Pouco sobre Runas – Parte 1: Conceitos tradicionais e falácias modernas
Näsby Odensala, Uppland, Sweden
(Pedra Rúnica em Näsby Odensala, Uppland, Sweden)

Abra a Runa e a fé do forte e do corajoso!
Abra! Deixe os Deuses do seu coração e da sua alma mostrarem o Caminho”.
(1)

Como algumas pessoas sabem, devido ao advento da nossa “Era de informação”, inúmeros conhecimentos que antes eram ocultos ou específicos de algum grupo ou região, hoje tornaram-se abertos e propagados mundialmente. Seria uma ótima notícia se tais  conhecimentos fossem passados de forma séria e estudados como exatamente eram, mesmo que seja somado ao repertório e a interpretação de nossa Era; afinal, tudo o que é aprendido e repassado aos mais novos carrega uma Marca advinda de seu último detentor, de forma que o conhecimento fique sempre mais carregado e rico, trazendo toda uma linhagem e conhecimento para aquele que passa a deter tal conhecimento. Infelizmente, tais conhecimentos são distorcidos por aqueles que recebem e são passados de forma errônea: não são compreendidos por quem aprende e quando são passados adiante, são distorcidos para preencher as lacunas pessoais de cada dito praticante ou ainda daqueles que ousam usar o título, arbitrariamente, de “Runamal” ou Erilaz(2).

Aqui falaremos um pouco sobre as poderosas Runas trazidas da morte pelo Deus Odin, o Pai de Todos, o Caolho, o Velho, Wotan, Woden e muitos outros nomes usado pelo Deus dos Deuses. Continuar lendo