A Natureza inconcebível de Lilith

Burney_Relief_Babylon_-1800-1750

“Elixir do Ventre,
Obscura fonte dos Caídos,
Com estas águas
Eu esta poção fermento:
Fonte escura das veias de Elphame,
Sangue dos Anjos recém-assassinados,
E Néctar da escuridão de Morpheus feito,
Das malditas Flores das Sombras.”
(1)

Muito já fora escrito sobre a Rainha do Sangue, principalmente sobre alguns dos sincretismos de suas origens e também das advertências de se chamar o seu nome esperando algum tipo de “Deusa mãe” que vai lhe acolher abaixo de suas asas. A ideia desta postagem é tentar esclarecer algumas ideias sobre tal figura, realmente importante tanto na Bruxaria quanto em inúmeras vertentes, crenças e sistemas.

Longe de se tratar de verdades absolutas ou indicando o que seja certo ou errado, a pretensão deste texto é a de escrever e descrever um pouco sobre algumas visões e trabalhos que envolvam o seu nome e seus terríveis poderes. Sim, “terrível” é algo que se encaixa quando tratamos da ‘Mãe do Sangue’, concebida e comparada sob inúmeros aspectos com atributos de várias outras divindades e, ao mesmo tempo não sendo nenhuma delas em específico, Lilith é uma gama de poderes incontroláveis, cruéis, implacáveis e costuma mexer com nossos piores medos e temores, trazendo a tona traumas e seduções que fazem muitos se perderem em meio aos piores sofrimentos e os prazeres mais intensos, sem nem mesmo conseguir diferenciar quando é que muda de um para o outro. Continuar lendo