Os Deuses da nossa terra – Um pouco sobre alguns Deuses Tupi-Guaranis

Os Deuses da nossa terra – Um pouco sobre alguns Deuses Tupi-Guaranis

Jaci
(Deusa Lua Jaci, arte de Bianca Duarte)

Abá o-ikó ‘y pupé
Taba suí ‘y pupé
Kunumim o-monhang r-apé
Kunumim o-monhang r-apé
Yby oby supé
Arara kûara-pe
(1)

Saudações aos leitoras da Nona Direção! Desta vez estou trazendo um tema que já merecia estar presente ha muito tempo: Os Deuses de nossa terra!

Inicialmente, quando pensamos nos povos indígenas, temos o habito ignorante de pensar em um só povo. Note que digo “povo” e não “tribo”, e que falo ‘”indígena” e não “índio”. Parece besteira, mas assim como o total desconhecimento de toda a nossa sociedade para com os Povos indígenas, aqueles cujo povo habita nesta terra antes de nossos ancestrais chegarem, essas palavras possuem pesos bem diferentes. Deixei lá nas notas um excelente texto de Daniel Munduruku sobre o tema e recomendo a leitura.
(2)

Existem muitas etnias indígenas e cada um possui suas próprias tradições, Deuses, espíritos e tradições. Não existe um povo indígena apenas, e sim, muitos. Como alguém que também está iniciando os estudos sobre os povos indígenas, vejo a necessidade de deixar alguns desses conceitos expostos, visto que é um elemento cultural extremamente rico e, como andarilhos desta terra sagrada, nossa obrigação é a de respeitar e de tentar manter viva a cultura dos Povos Indígenas e, a informação é o primeiro passo.

Continuar lendo

A Arte de transmutar os sentimentos em Poder

A Arte de transmutar os sentimentos em Poder

1 (56)

“Eu nado em ti
Em teus tenebrosos rios
Mergulho em tua mente
Busco seus monstros
Busco resistência
Afundo na lama
Danço nos salões da insanidade
Contudo, a loucura é a maior de tuas realizações
Sua vaidade”
(1)

Já havia pensado em escrever sobre tal assunto usando diferentes abordagens de acordo com a linha de pensamento mantida em cada momento; porém, refletindo sobre o tema e sobre experiências passadas, cheguei à conclusão de que não teria outra forma de abordar, no momento, do que de uma forma mais direta e pragmática, do que usando referências ou outros Artigos. Assim então é mais simples de escrever sobre o assunto proposto, para ser algo mais facilmente entendido.

De todos os sistemas de magia conhecidos e não conhecidos, nenhum trabalha de forma mecânica e igualitária. Os efeitos não dependem somente dos gestos e palavras, muito menos poderiam ser realizados usando-se apenas os elementos necessários ou que carreguem Poder de forma Real se não estivermos preparados e com capacidade para realizarmos algum ato de magia.

Muitos se preocupam em educar apenas a Mente ou o raciocínio. De fato, são elementos muito importantes, mas não são vitais para se realizar alguma mudança significativa a sua volta no que diz respeito a magia em si. Existem diversos outros elementos extremamente importantes para aqueles que trilham o Caminho tortuoso da Bruxaria, como as ‘Percepções Sensíveis’(2), autoconhecimento e, consequentemente, o ‘Domínio de si mesmo’(3). Continuar lendo

Bruxaria, Bíblia e sincretismo religioso – Parte 1: A Origem do Deus do Velho Testamento

GOD20EL20STONE

Ani amarthi: Elohim áthem u-vnei Elion kulkhem!”
(1)

 

Comecei com a frase acima para explicar (e também lançar certos questionamentos) sobre alguns pontos que ligam a Bíblia aos Deuses Antigos e depois sobre Bruxaria (2).

É claro que a maioria dos leitores torcem o nariz logo que enxergam a palavra “Bíblia”, “monoteísta” ou “cristão” num site onde o nome “Bruxaria” aparece como um dos temas principais. Mas isso é facilmente explicado: resistência e medo.

A ideia é que durante nossas vidas somos bombardeados de elementos e valores cristãos, o que cria traumas e sensações de culpa ou de medo enquanto ainda estamos ‘presos’ tanto na mentalidade quanto em nossas visões.

Normalmente existe uma revolta imensa dos ditos “pagãos” quando se entra em questões que abordem ou tenha algo a ver com “cristãos”. Os Judeus não costumam incomodar tanto quanto os Católicos nesses assuntos, embora as Religiões de Livro (3) são amplamente mal vistas e mal interpretadas por outros grupos.

Acredito que a bruxaria foi distorcida em inúmeros níveis, tanto graças a Wicca quanto às massas que usaram-na como um escudo ou bandeira para afirmar algum tipo de ‘diversidade’, como feministas, homossexuais ou apenas pessoas que possuem algum ódio ou raiva ao cristianismo. A figura da “Bruxa” foi usada para questões ambientais, políticas, terapêuticas, explicações psicológicas distorcidas e todo o tipo de “ferramenta” para que pessoas pudessem “se encontrar” – seja lá o que isso realmente significa nesses casos absurdos – e todo o tipo de ideia do gênero, MENOS para a Bruxaria em si. Continuar lendo