O Bem, o Mal e a Bruxaria

O Bem, o Mal e a Bruxaria


(Imagem retirada da internet, da HQ Lúcifer, da Vertigo)

“Titânico Prometeu – Deus da luz proibida,
Sua chama negra nós carregaremos como um legado do Seu Poder.
Pai da Iluminação – Deus da luz sem sombras,
Sol Negro dos mistérios escuros – restaure a Visão do Dragão”
(1)

 

Haver-se-ia inúmeras formas de se começar este texto e de fazer introduções mais didáticas ao assunto proposto, porém, dada a natureza da postagem e por incrível que pareça a falta completa de abordagem direta para tais assuntos, resolvi escrevê-lo de forma espontânea, tentando ser o mais elucidativo quanto for!

Para muito de nós (e quando falo “nós” eu me refiro aos mais antigos e àqueles que possuem um entendimento diferenciado e mais real do que seja bruxaria, sem fantasias ou ideias impregnadas da moral atual), é realmente triste nos deparamos com ideias construídas a partir de conceitos de “senso comum” perpetuados na bruxaria. É claro que ninguém descarta a Era atual e muito menos a cultura vigente, pois ninguém vive a vida de nossos ancestrais, mas sim, uma vida no mundo de hoje, atual, contemporâneo; tentando sempre manter certas tradições e entendendo que existem certas coisas que não podem ser mudadas simplesmente pela falta de coragem, estômago, visão ou pelo medo e limitações de quem teme às mudanças que o Caminho pode trazer.

Ha uma noção extremamente distorcida entre “certo e errado”, “bem e mal” no que diz respeito a bruxaria.

Alguns pontos deverão ser colocados em evidência para sermos capazes de falarmos sobre, bem como assuntos polêmicos e desagradáveis para muitos, ou ainda, dolorosos de forma íntima para a maioria.

Porém,vamos salientar a hipocrisia, mesmo que inconsciente, desse monte de ditos “pagãos” ou “neopagãos”, bruxos, feiticeiros e qualquer outra nomenclatura que lhe for confortável: não importa, iremos falar de assuntos que atingirão a todos em muitos níveis e cada um é livre para expressar a insatisfação, satisfação, incômodo, medo, limitação ou qualquer que seja a incapacidade ou opinião genuína a respeito dos assuntos. Lembrando-se sempre que SEU caminho é apenas o SEU caminho, e nada mais.

Vamos começar a derramar o sangue dos inocentes…

 

Continuar lendo

Anúncios

Um Pouco sobre Runas – Parte 2: Os Grupos de Runas e um pouco de suas Histórias

Um Pouco sobre Runas – Parte 2: Os Grupos de Runas e um pouco de suas Histórias

deloraine_irminsul
(Uma imagem ilustrativa de um Irminsûl)

“Entre no Caminho das Runas
E beba da fonte de Urd,
Experimente as frutas de Idunna
Decifre os símbolos do Norte.”
(1)

Os grupos de Runas

Existem muitos historiadores e Runólogos que estudam e pesquisam por anos a fio tanto a origem quanto os grupos de Runas que existiram. Portanto, muitos escritores, principalmente aqueles que inventam alguma runa que nunca existiu, deveriam ter a decência de dizer que são criações próprias e não runas “antigas” ou “tradicionais”, como a tal falada “Runa Branca”, chamada também de “Runa de Odin”: tal runa, criada pelo escritor Ralph Blum, se popularizou em nossa Era ao ponto das pessoas acreditarem que tal runa realmente possui algum valor ou tradição. Não, nenhum Erilaz de verdade usa uma runa criada para ser propagada por modistas, que apenas enxergam as Runas como se fosse um “kit de adivinhação” que você compra numa banca de jornal. Qualquer estudioso de Runas compreende que inclusive existe uma Runa com um propósito similar e muito mais abrangente, que neste caso é a Runa Gar, sobre a qual falarei mais adiante no texto. Continuar lendo