Alguns contos da nossa terra – Parte 1

Alguns contos da nossa terra – Parte 1

anhanga-e-tupa
(Anhangá lutando contra Tupã)(1)

Anhã Aminoé,
Tapeguasupe Kurusu,
Tangará rapé
Patuá minae, Kakaju.
(2)

 

A Índia que amava a Lua

vitoria_regia_flor

    Muitos e muitos anos atrás, vivia Iapuna, uma jovem índia do povo Tupi.

    Ela era uma garota alegre, que gostava de passear pela floresta, de brincar com os animais, de nadar nos rios com seus irmãos. Mas, quando a noite começava a chegar, gostava de ficar sozinha, deitada na grama, admirando as estrelas, a Lua, o céu distante.

   Certa noite, a Lua estava mais brilhante do que nunca. Seus raios penetravam entre as árvores da floresta e envolvia tudo com uma luz intensa, mágica. Iapuna lembrou-se então das histórias contadas pelos velhos índios da tribo sobre a Lua. Uma delas dizia que as estrelas eram jovens índias levadas ao céu pela Lua.

   -ah! como eu gostaria de ser uma das estrelas do céu! – pensou Iapuna. Poderia ficar sempre perto da Lua e abraçá-la!

   Aos poucos, esse desejo foi tomando conta de Iapuna e ela não pensava em mais nada, a não ser subir ao céu para abraçar a Lua.

   Certa noite, ela foi passear na beira de uma lagoa. Não havia vento a água estava calma, quase parada. E, bem no meio da lagoa, brilhava o reflexo da Lua cheia!

   Quando viu aquilo, Iapuna ficou enlouquecida de alegria. Era ela, a sua amada Lua que enfim chegara para levá-la ao céu!

   Sem pensar em mais nada, mergulhou e pôs-se a nadar em direção ao reflexo da Lua. Mas, quanto mais nadava, mais distante parecia estar o brilho da Lua. Iapuna foi ficando cansada. Finalmente, conseguiu se aproximar da sua amada Lua e quis abraçá-la. Mas, sem força nos braços, começou a afundar e seu corpo desapareceu nas águas da lagoa.

   Toda a aldeia chorou a morte da linda Iapuna.

   Lá no céu, a Lua, que tudo observava, ficou triste com o destino de Iapuna. E já que não pôde transformá-la em uma estrela do céu, resolveu fazer dela uma estrela das águas. Por isso, transformou-a e uma linda planta, que passou a ser chamada de vitória régia.

   É uma planta bonita e grande, que se fecha durante o dia e se abre quando a noite chega, para receber o abraço da Lua, como sempre sonhou a jovem índia Iapuna.

 

As Lágrimas de Potira

01brasil_potira

   Contam os índios que Potira e Itajiba formavam um lindo casal. Eram jovens, bonitos e viviam felizes em sua aldeia.

   Um dia, porém, houve uma guerra contra outra tribo e Itajiba teve que partir com seus companheiros. Potira foi até a beira do rio para ver seu amado entrar na canoa e descer o rio junto com outros guerreiros. Um pouco antes de sumir numa curva do rio, Itajiba levantou-se e acenou para Potira. Quando as canoas desapareceram no horizonte, ela voltou triste para a taba.

   Depois deste dia, toda manhã Potira saía para olhar o rio e ver se Itajiba estava voltando. Mas o tempo passava e ele não regressava. Muitas Luas depois, os outros guerreiros voltaram, mas Itajiba não estava entre eles. Potira então compreendeu que não veria mais o seu amado.

   Ela foi até a beira do rio e olhou para o ponto em que tinha visto Itajiba pela última vez. E não conseguiu evitar que as lágrimas rolassem abundantemente pelo rosto. Nunca mais ela saiu de lá. E as lágrimas de saudade que derramava todos os dias foram caindo e se misturando com a areia do rio, como pequena pedras brilhantes.

   Até o Deus Tupã se comoveu com a dor de Potira e transformou as lágrimas dela em pedras preciosas para eternizar essa triste história de amor.

   Por isso, dizem os índios, é possível encontrar tantas pedras preciosas misturadas aos cascalhos dos rios e regatos. São as lágrimas de saudade de Potira, transformadas por Tupã.

(3)

Xe r-oryb, nh~ur r-upi a-guatá
A-î-potar ma’~e ybaka resé
Xe guainumbi, xe taperá un
Îandé îa-bebé eté
(4)

 

jaci-e-tupa
(5)

 

Notas:

(1) Arte retirada das irmãs Natalia Duarte e Bianca Duarte, do site Brasil Fantástico;
(2) Cantiga ‘guarani nhandeva’. “Anhã” é uma entidade ambivalente, muitas vezes temido como maléfico;
Tradução:
Lá vem o Anhã,
No cruzamento da estrada grande.
Um tangará pelo caminho
Com um patuá no peito, vai gritando.
-Retirado do livro “A criação do mundo e outras belas historias indígenas”, Emerson Guarani e Benedito Prezia, Ed. Formato.
(3) Ambos os contos foram retirados do livro “Histórias da terra e do céu – lendas indígenas do Brasil”, recontadas por Douglas Tufano; Ed. Moderna, 2014;
(4) trecho da música “Gûyrá” (pássaro) da banda ‘Arandu Arakuaã’.
Tradução:
Eu sou feliz, ando pelos campos
Quero que olhes para o céu
Sou o beija flor, sou a andorinha preta
Nós voamos muito“;
(5) Arte retirada das irmãs Natalia Duarte e Bianca Duarte, do site Brasil Fantástico.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s