Poema Rúnico Anglo-saxão (original, inglês e português)

Poema Rúnico Anglo-saxão (original, inglês e português)

Odin
(Estátua do Deus Odin, Hannover, Germany)

“Como minhas Palavras interrompem o Silêncio, e o Silencio as minhas Palavras
-Assim o fazem suas ressonâncias se alinhando e aumentando o Poder
Suficientemente para materializar seus intentos.”
(1)

Saudações leitores e amigos do blog “A Nona Direção”!
Após quase um ano sem postagens, voltamos agora com as postagens no blog. Não haverá uma data correta para as postagens, mas por enquanto irei mantê-las surgindo aqui no blog.

Para inaugurar as novas postagens, criei 3 novas páginas (que estão na aba superior direita, no topo da página):
A proposta deste espaço;
Contato;
Publicações.

Acredito que os nomes das páginas falem por si.

Agora vamos a nossa postagem, que é nada mais nada menos do que o Poema Rúnico Anglo-saxão.

Pelo que percebi, praticamente todos os envolvidos com ocultismo e bruxaria conhecem as Runas em geral, seja de nome ou de suas práticas pessoais. Porém, quase nenhuma desse grande número de pessoas conhece ou chegou a ler o Poema Rúnico Anglo-saxão. É claro que existem outros poemas, mas o Anglo-saxão é o mais longo e engloba as 29 Runas de seu Set. Para quem possui interesse, fiz uma série de postagens, já ha algum tempo, sobre as Runas e procurei falar um pouco mais do que o convencional que é encontrado em português na maioria dos sites.
(2)

As postagens são:

Um Pouco sobre Runas – Parte 1: Conceitos tradicionais e falácias modernas;

Um Pouco sobre Runas – Parte 2: Os grupos de Runas e um pouco de suas Histórias;

Um Pouco sobre Runas – Parte 3: Enigmas, significados e interpretação.

Aqui um trecho sobre o set de runas Anglo-saxão:

“Futhork Frísio/Anglo-saxão

Essas runas são compostas das 24 runas do Elder Futhark mais 4 runas que foram adicionadas pelo povo da Frisia, provavelmente pela mudança de língua, fazendo um grupo de 28 Runas. Pouco depois, os Anglo-Saxões adicionaram uma quinta Runa chamada de Ear, totalizando 29 runas no total.

A língua estava mudando e o modo de vida também. Ao entrar em contato com outros povos, novas necessidades e novos estilos de vida surgiam. A compreensão do mundo também mudava a partir do momento em que duas culturas entravam em choque.

Essa mudança ocorreu entre 550 – 650 da nossa Era Vulgar. O nome mudou para Futhork pelo fato de que a Runa Ansuz foi retirada da quarta posição e dividida; e em seu lugar entrou a Runa Os. A Runa Ansuz fora dividida em Os e Aesc e posta no final, após o terceiro Aett.

As Runas adicionadas foram Os (no lugar de Ansuz); e após o terceiro Aett temos Ac (Carvalho), Aesc (significado idêntico a Ansuz), Yr (Arco), Ior (Besta Marinha) e Ear (A cova da terra).”
(3)

Esse poema rúnico surgiu por volta do século IX e X da nossa Era Vulgar, tendo sido descoberto e revelado pelo pesquisador britânico “George Hickens” (1642 – 1715), que apresentou um documento que era praticamente inédito ao grande público. Esse era o mais longo poema rúnico descoberto até a atualidade. E fora publicado originalmente no primeiro volume do “Linguarum Vett. Septentrionalium Thesaurus Grammatico-Critici et Archæologici pars prima: seu Institutiones Grammatcæ Anglo-Saxonicæ, & Moeso-Gothicæ“, entre 1703 – 1705. Essa publicação deu um maior impulso para gerar o que conhecemos dos estudos sobre a runologia atual.
(4)

 

Ny_Carlsberg_Bryghus_-_Thor_sculpture
(Monumento de Thor, Carlsberg, Copenhagen, Dinamarca)

Abaixo colocarei o Poema Rúnico Anglo-saxão em três idiomas: original, inglês e português.

O Poema Rúnico Anglo-saxão
(Original)

Feoh byþ frofur fira gehwylcum; sceal ðeah
manna gehwylc miclun hyt dælan gif he wile
for drihtne domes hleotan.

Ur byþ anmod ond oferhyrned, felafrecne
deor, feohteþ mid hornummære
morstapa; þæt 
is modig wuht.

3 Ðorn byþ ðearle scearp; ðegna gehwylcum
anfeng ys yfyl, ungemetum reþe manna
gehwelcum, ðe him mid resteð.

Os byþ ordfruma ælere spræce,
wisdomes 
wraþu ond witena frofur
and eorla gehwam 
eadnys ond tohiht.

Rad byþ on recyde rinca gehwylcum sefte
ond swiþhwæt, ðamðe sitteþ on ufan
meare 
mægenheardum ofer milpaþas.

Cen byþ cwicera gehwam,
cuþ on fyre blac 
ond beorhtlic,
byrneþ oftustðær hi æþelingas 
inne restaþ.

Gyfu gumena byþ gleng and herenys,
wraþu 
and wyrþscype and wræcna gehwamar
and 
ætwist, ðe byþ oþra leas.

Wenne bruceþ, ðe can weana lyt
sares and 
sorge and him sylfa hæfþ
blæd and blysse and 
eac byrga geniht.

Hægl byþ hwitust corna; hwyrft hit of
heofones lyfte, wealcaþ hit windes scura;
weorþeþ hit to wætere syððan.

10 Nyd byþ nearu on breostan; weorþeþ hi
þeah oft niþa bearnum to helpe and to hæle
gehwæþre, gif hi his hlystaþ æror.

11 Is byþ ofereald, ungemetum slidor,
glisnaþ 
glæshluttur gimmum gelicust,
flor forste geworuht, fæger ansyne.

12 Ger byÞ gumena hiht, ðonne God læteþ,
halig heofones cyning, hrusan syllan beorhte
bleda beornum ond ðearfum.

13 Eoh byþ utan unsmeþe treow,
heard hrusan 
fæst, hyrde fyres,
wyrtrumun underwreþyd, 
wyn on eþle.

14 Peorð byþ symble plega and hlehter
wlancum [on middum], ðar wigan
sittaþ 
on beorsele bliþe ætsomne.

15 Eolh-secg eard hæfþ oftust on fenne wexeð on
wature, wundaþ grimme, blode
 breneð beorna
gehwylcneðe him ænigne 
onfeng gedeþ.

16 Sigel semannum symble biþ on hihte,
ðonne hi hine feriaþ ofer fisces beþ,
oþ hi
 brimhengest bringeþ to lande.

17 Tir biþ tacna sum, healdeð trywa wel
wiþ 
æþelingas; a biþ on færylde ofer
nihta genipu, 
næfre swiceþ.

18 Beorc byþ bleda leas, bereþ efne swa ðeah tanas
butan tudder, biþ on telgum wlitig, heah 
on helme
hrysted fægere, geloden leafum,
lyfte getenge.

19 Eh byþ for eorlum æþelinga wyn, hors hofum
wlanc, ðær him hæleþ ymb[e] welege 
on wicgum
wrixlaþ spræce and biþ unstyllum 
æfre frofur.

20 Man byþ on myrgþe his magan leof: sceal þeah
anra gehwylc oðrum swican, forðum 
drihten wyle
dome sineþæt earme flæs
eorþan betæcan.

21 Lagu byþ leodum langsum geþuht, gif hi sculun
neþan on nacan tealtum and hi sæyþa 
swyþe
bregaþand se brimhengest bridles ne 
gym[eð].

22 Ing wæs ærest mid East-Denum gesewen
secgun, oþ he siððan est ofer wæg gewat; wæn
æfter ran; ðus Heardingas ðone hæle nemdun.

23 Eþel byþ oferleof æghwylcum men,
gif he 
mot ðær rihtes and gerysena on
brucan on
 bolde bleadum oftast.

24 Dæg byþ drihtnes sond, deore
mannum, 
mære metodes leoht, myrgþ
and tohiht 
eadgum and earmum, eallum brice.

25 Ac byþ on eorþan elda bearnum flæsces fodor,
fereþ gelomeofer ganotes bæþ; garsecg
fandaþ hwæþer ac hæbbe æþele treowe.

26 Æsc biþ oferheah, eldum dyre
stiþ on 
staþule, stede rihte hylt, ðeah
him feohtan on 
firas monige.

27 Yr byþ æþelinga and eorla gehwæs
wyn 
and wyrþmynd, byþ on wicge fæger,
fæstlic 
on færelde, fyrdgeatewa sum.

28 Iar byþ eafix and ðeah a bruceþ
fodres on 
foldan, hafaþ fægerne eardwætre
beworpen, 
ðær he wynnum leofaþ.

29 Ear byþ egle eorla gehwylcun, ðonn[e] fæstlice
flæsc onginneþ,hraw colian, hrusan 
ceosan blac to
gebeddan; bleda gedreosaþ, 
wynna gewitaþ, wera geswicaþ.
(5)

667.2465.original
(Runas em uma Scramasax, Século VIII, Rio Thames, Londres)

The Runic Anglo-saxon Poem
(Modern english)

1 Wealth is a comfort to all men;
yet must every man bestow it freely,
if he wish to gain honour in the sight of the Lord.

2 The aurochs is proud and has great horns;
it is a very savage beast and fights with its horns;
a great ranger of the moors, it is a creature of mettle.

3 The thorn is exceedingly sharp,
an evil thing for any knight to touch,
uncommonly severe on all who sit among them.

4 The mouth is the source of all language,
a pillar of wisdom and a comfort to wise men,
a blessing and a joy to every knight.

5 Riding seems easy to every warrior while he is
indoorsand very courageous to him who traverses
the high-roads on the back of a stout horse.

6 The torch is known to every living man
by its pale, bright flame; it always burns
where princes sit within.

7 Generosity brings credit and honour, which support
one’s dignity; it furnishes help and subsistence
to all broken men who are devoid of aught else.

8 Bliss he enjoys who knows not suffering,
sorrow nor anxiety, and has prosperity
and happiness and a good enough house.

9 Hail is the whitest of grain;it is whirled
from the vault of heaven and is tossed about
by gusts of wind and then it melts into water.

10 Trouble is oppressive to the heart; yet often it
proves a source of help and salvation to the children
of men, to everyone who heeds it betimes.

11 Ice is very cold and immeasurably slippery;
it glistens as clear as glass and most like to gems;
it is a floor wrought by the frost, fair to look upon.

12 Summer is a joy to men, when God,
the holy King of Heaven, suffers the earth
to bring forth shining fruits for rich and poor alike.

13 The yew is a tree with rough bark,
hard and fast in the earth, supported by its roots,
a guardian of flame and a joy upon an estate.

14 Peorth is a source of recreation and amusement
to the great, where warriors sit blithely
together in the banqueting-hall.

15 The Eolh-sedge is mostly to be found in a marsh;
it grows in the water and makes a ghastly wound,
covering with blood every warrior who touches it.

16 The sun is ever a joy in the hopes of seafarerswhen
they journey away over the fishes’ bath,
until the courser of the deep bears them to land.

17 Tiw is a guiding star; well does it keep
faith with princes;it is ever on its course
over the mists of night and never fails.

18 The poplar bears no fruit; yet without seed it brings forth suckers,
for it is generated from its leaves. Splendid are its branches and
gloriously adorned its lofty crown which reaches to the skies.

19 The horse is a joy to princes in the presence of warriors.
A steed in the pride of its hoofs, when rich men on horseback bandy
words about it; and it is ever a source of comfort to the restless.

20 The joyous man is dear to his kinsmen;yet every
man is doomed to fail his fellow, since the Lord by
his decree will commit the vile carrion to the earth.

21 The ocean seems interminable to men,if they venture
on the rolling bark and the waves of the sea terrify them
and the courser of the deep heed not its bridle.

22 Ing was first seen by men among the East-Danes,
till, followed by his chariot, he departed eastwards
over the waves. So the Heardingas named the hero.

23 An estate is very dear to every man,
if he can enjoy there in his house whatever
is right and proper in constant prosperity.

24 Day, the glorious light of the Creator,
is sent by the Lord; it is beloved of men, a source of
hope and happiness to rich and poor, and of service to all.

25 The oak fattens the flesh of pigs for the children of men.
Often it traverses the gannet’s bath, and the ocean proves
whether the oak keeps faith in honourable fashion.

26 The ash is exceedingly high and precious to men.
With its sturdy trunk it offers a stubborn resistance,
though attacked by many a man.

27 Yr is a source of joy and honour to every
prince and knight; it looks well on a horse and
is a reliable equipment for a journey.

28 Iar is a river fish and yet it always feeds
on land; it has a fair abode encompassed
by water, where it lives in happiness.

29 The grave is horrible to every knight, when the corpse quickly
begins to cool and is laid in the bosom of the dark earth.
Prosperity declines, happiness passes away and covenants are broken.
(6)

runestone
(Pedra Rúnica, Sigtuna, Sweden)

O Poema Rúnico Anglo-saxão
(Português)

1. A Riqueza é um conforto a todos os homens;
embora 
cada qual deva aplicá-la livremente,
se almeja obter a honra 
aos olhos do Senhor.

2. O auroque é altivo e é dotado de grandes chifres;
é uma
 besta muito selvagem e combate com os próprios chifres;
um grande vagueador das charnecas, é uma criatura corajosa.

3. O espinho é extremamente afiado, algo muito
ruim para 
qualquer cavaleiro tocar, notavelmente
rigoroso com tudo 
que se senta em torno dele.

4. Deus é a fonte de toda linguagem, um pilar
da sabedoria 
e de conforto aos homens sábios,
uma bênção e uma alegria 
a todo cavaleiro.

5. Cavalgar parece fácil a qualquer guerreiro enquanto
estiver no saguão e muito corajoso é aquele que atravessa as
grandes estradas no dorso de um cavalo robusto.

6. A Tocha é conhecida de todo homem vivo pela
sua pálida 
e brilhante flama; queima-se sempre
onde os príncipes se 
sentam junto dela.

7. A Generosidade traz boa reputação e honradez, que suportam
a dignidade de uma pessoa; fornece ajuda e 
subsistência a todos
os homens falidos que são destituídos 
das demais coisas.

8. A Felicidade aprecia aquele que não conhece o
sofrimento, nem a tristeza, nem a ansiedade e desfruta
da
 prosperidade, da felicidade e tem um lar aconchegante.

9. O Granizo é o mais alvo dos grãos; é lançado da
abóbada celeste e lavado pelas rajadas de vento e
por fim 
se dissolve na água.

10. A Necessidade aperta o coração; contudo se mostra
uma 
fonte de ajuda e salvação aos filhos do homem e a
todo 
aquele que se preocupa no devido tempo.

11. O Gelo é muito frio e extremamente escorregadio; reluz
tão claramente quanto o vidro e muito se assemelha a pedras preciosas;
é um assoalho feito pela geada, agradável
 para se contemplar.

12. O Verão é uma alegria dos homens, quando
Deus, o Rei 
Sagrado do Céu, faz a terra produzir frutos
brilhantes tanto 
para os ricos quanto para os pobres.

13. O Teixo é uma árvore de casca áspera, dura e firme na
terra, sustentada por suas raízes, uma guardiã da flama
e uma alegria em uma propriedade.

14. Peorth é uma fonte de recreação e entretenimento e
de 
muita diversão, onde os guerreiros se sentam
jubilosamente
 juntos no saguão de banquete.

15. O Junco é frequentemente encontrado no pântano;
floresce na água e provoca uma ferida horrível,
cobrindo com sangue todo guerreiro que 
tocá-lo.

16. O Sol é sempre uma alegria para os navegantes,
quando 
viajam sobre o balneário dos peixes,
até o corcel das
 profundezas os conduzam à terra.

17. Tir é uma estrela guia que mantém a promessa
com os
 príncipes; está sempre em seu curso
sobre as brumas da 
noite e nunca falha.

18. O vidoeiro não produz frutos; mesmo sem semente produz
brotos gerados de suas folhas. Esplêndidos são seus 
galhos e
gloriosamente adornada é sua altiva coroa que 
atinge os céus.

19. O Cavalo é uma alegria dos príncipes na presença dos guerreiros.
Um corcel no orgulho de seus cascos, quando 
homens ricos montados disputam calorosamente sobre ele; e é sempre uma fonte do conforto ao impaciente.

20. O Homem alegre é querido por seus parentes; contudo cada
homem é julgado ao falhar com seu companheiro, 
desde que o
Senhor por seu decreto recolherá a vil carniça
 para a terra.

21. O Oceano parece interminável aos olhos dos homens, se
eles se aventurarem em barco rolante e as ondas do mar 
os
aterrorizarem e o corcel das profundezas não controlar 
suas rédeas.

22. Ing foi primeiramente visto pelos homens entre os
Dinamarqueses do Leste, até que, seguido por seu carro de guerra, ele
partiu ao oriente sobre as ondas. Então os 
Heardingas o nomeou herói.

23. Uma Propriedade é muito cara a qualquer homem,
se ele 
ali em seu lar puder usufruir de tudo que é direito
adequado em prosperidade constante.

24. O Dia, a luz gloriosa do Criador, é enviada pelo Senhor;
é amado pelos homens, uma fonte da esperança e felicidade ao
rico e ao pobre, e está a serviço de todos.

25. O Carvalho engorda a carne dos porcos para os filhos dos
homens. Frequentemente atravessa o balneário dos 
mergulhões,
e o oceano prova se o carvalho 
mantém a fé de maneira honorável.

26. O Freixo é excepcionalmente alto e precioso para os homens.
Com seu tronco robusto oferece uma resistência 
inflexível,
embora atacado por muitos homens.

27. O Arco de Teixo é uma fonte da alegria e da honra
todo príncipe e cavaleiro; Cai bem sobre um cavalo
e é um 
equipamento seguro para uma jornada.

28. O Castor é um peixe de rio, mas que sempre se
alimenta na terra; possui um belo domicílio
cercado por 
água, onde vive em plena felicidade.

29. A sepultura é horrível a todo cavaleiro, quando o corpo
começa rapidamente a esfriar e é colocado no seio da terra escura.
A prosperidade declina, a felicidade se vai e os 
acordos se rompem.
(7)

The_Ride_of_the_Valkyrs
(The Ride of the Valkyrs (1909) by John Charles Dollman.)

Eu conheço uma nona:
se me encontrar em dificuldade
para salvar meu barco à deriva,
eu acalmo o vento
nas ondas
e aquieto todo o mar.
(8)

 

Notas:

(1) Oração do Desígnio, Andrew D. Chumbley; Qutub – editora Xoanon – tradução livre;

(2) Não que não haja material disponível em português, pois tem um bom número de pessoas que se dedicam a traduzir e a fazer trabalhos sérios envolvendo as Runas e as histórias nórdicas em geral. O problema é a massificação de informações superficiais e muitas vezes a propagação de informações falsas ou distorcidas;

(3) Da postagem “Um Pouco sobre Runas – Parte 2: Os grupos de Runas e um pouco de suas Histórias“;

(4) Retirado da “Tradução Comentada dos Poemas Rúnicos Anglo-Saxão, Islandês, Norueguês e do Abecedarium Nordmannicum”, pelo Dr. Elton O. S. Medeiros; www.academia.edu, acessado dia 02/06/2016;

(5) “Poema Anglo-saxônico – tradução e notas, por João Bittencourt de Oliveira, www.academia.edu, acessado dia 02/06/2016;

(6) Retirado de “www.ragweedforge.com“, acessado dia 02/06/2016;

(7) “Poema Anglo-saxônico – tradução e notas, por João Bittencourt de Oliveira, www.academia.edu, acessado dia 02/06/2016;

(8) Hávamál, as Máximas de Hár, verso 154; tradução do Dr. Elton O. S. Medeiros;  https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/5180469.pdf; acessado dia 02/06/2016.

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s